quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Ciúme



Você está lá, perfeitamente enquadrado em meus olhos e de repente - pá! - qualquer indício de alma feminina resvalando amores e cuidados exagerados por ti me revira o estômago. E ai que ânsia de ir lá e dar uma porrada na desgraçada! Chegar diante dela e mostrar que você tá em outra, que é meu - mesmo que não seja meu, mas é um ótimo argumento pra espantar a mulherada do seu pé. Como se eu tivesse direito mesmo. Eu tenho? Me pego em caos total, perco a cabeça, e quero plantar bananeira pra ver se o sangue volta para o cérebro e eu consigo voltar a pensar racionalmente no que eu tô fazendo. Acontece que o sentir não é nem um pouco racional - a gente pode amar tanto um ricaço bonitão quanto um carinha que não tenha aparentemente nada demais, que não chame a atenção na rua mas que a gente sabe que tem um coração enorme. E é justamente desse carinha que você quer horas de conversas bobas, ganhando cafuné deitados na cama. Justamente dese talzinho que se achou no direito de invadir meu espaço quando eu tava afastando qualquer probabilidade de romance não vingativo à quilômetros de mim com pontapés. Aí ele chega, como quem não quer nada. Papo vai, papo vem, me diz que eu sou diferente das outras. E nessa conversinha clichê de repente me vejo pensando em te ligar várias vezes por dia, conferindo a cada cinco minutos o celular pra ver se você lembrou de mim em qualquer atividade rotineira do seu dia. Só por Deus, mesmo. Que anta que eu sou.
E essa talzinha no seu pé não facilita em nada a minha vida. Não, não gostei mesmo. Eu sei que você quer ficar comigo, confiei nas vezes que me disse. Mas, mesmo assim, não consigo disfarçar minha compulsão em te olhar bem séria e dizer que tudo bem, que se for o caso eu me afasto, que só quero te ver bem. Aí você dá uma risada enorme, e com carinho me diz o quanto eu tô sendo boba. Até eu começo a rir e penso que tô agindo como uma idiota, e como você me deixa assim meio besta. Fico insegura e me entrego totalmente. Aí já começo a me achar imensamente burra por deixar você saber que sou meio ciumenta, e que automaticamente isso deixa claro que tenho medo de que você vá embora. Eu sei que é tolice, mas não consigo deixar de ficar apavorada com a idéia de te ver indo embora. Você, não, por favor. Todos os outros já me fizeram isso, e em todas as vezes eu virei um trapo rasgado. Não me sobrou nada de mim em mim, e eu tive que aprender a me reconstruir milhares de vezes pra tentar descobrir por que eu ainda insistia no amor. Você aparece e eu penso "é por você. Por isso que eu insistia, porque você iria chegar." Me pego bobinha da silva e me forço a te expulsar da mente e colocar um claríssimo "não-se-apegue-não-tenha-esperança" no coração. Faço bico e cruzo os braços de pura teimosia. Você chega, sorri com o rosto inteiro chegando a fazer aqueles olhos um pouco espremidos que eu amo tanto e, devagar, de leve, arranca essa fita isolante que eu coloquei no meu coração. Tchec! - e acaba a paranóia. Um beijinho na testa e eu já começo a te achar a coisa mais linda do mundo e a mais perfeita que já apareceu na minha vida. Você esquentando minhas mãos geladas no seu bolso e eu já imagino qual seria o tamanho da aliança. E eu achando tudo infinitamente perfeito e lindo, e querendo tudo exatamente do jeito que está. E me achando tão boba por ainda pensar que você poderia ir embora sendo que fica horas comigo no telefone e quer que eu te acompanhe em todos os lugares pra onde você for. Querendo me apresentar para todos os seus amigos, querendo que sua família goste de mim, que a gente viaje junto em breve. Me pego pensando em tudo isso e amando tanto - como fazia tempo que não amava nada tanto assim na minha vida. Me pego te admirando fazer pipoca e adorando sua chatice na cozinha. Te pego me olhando conversar com seus amigos e sorrir disfarçado, e sinto que tenho tudo o que queria.
Então você precisa entender o meu pavor em pensar que você pode ir embora. Meu desespero quando você não atende as ligações (e ainda por cima não retorna). Meu orgulho não permite mais nenhuma tentativa de contato, e eu fico horas esperando que você se preocupe comigo. Que ligue, que queira saber se algo está errado, se eu tô bem, que me diga que quer ficar comigo pra valer. Fale que aquela lá não tem nem chance contigo, que sente minha falta e que lembra de mim quando ela te diz coisas apaixonadamente idiotas. Que você me escolheu entre milhares de pessoas sem nexo, sem sentido por aí. Que a gente se encontrou porque se precisava, porque não aguentava mais pensar só na rotina e queria pensar mais um pouco um no outro.
Eu não tô acostumada em ser cuidada, então entenda meu ciúme. Mesmo que ela não seja ninguém, não consigo mais entender que me tirem mais nada - principalmente você, que me sorri e me faz querer coisas boas pra todo mundo de uma vez só. Não sei mais como é gostar, me bloqueei desde o último cara, e me prometi ser feliz sozinha. Aí chega você no seu charme grandiosamente devastador e mostra que minha felicidade indivual não chega a um quinto da nossa em conjunto. E pra não perder tudo isso eu preciso não ligar quando quero ouvir tua voz, não dizer que quando eu tava cheia de problemas no trabalho a única coisa que eu mais queria era te contar pra você me falar qualquer coisa atenciosa ou animadora. Preciso segurar meus fogos de artifício internos e não te falar que você é a melhor coisa que me aconteceu nos últimos tempos. E que, mesmo com a semana cheia, não consigo imaginar nada melhor do que o seu cheirinho depois de um dia lotado de confusões. Eu quero que você chegue, que entre, que pare com as minhas paranóias e me diga pra ficar calma mais uma vez. Que entenda a minha necessidade de te cuidar, de conversar quando tem alguma coisa errada, de querer colo quando as coisas desandam. De achar bonito andar de mãos dadas. Não ria do meu ciúme, porque eu mesma já tô me achando besta por conta própria. Me diga que eu sou tudo o que você precisava, assim como eu acredito - cegamente, encantadoramente, apaixonadamente - que você é mesmo tudo aquilo que me faltava.

Clarissa M. Lamega

4 comentários:

Priscila Carvalho disse...

Clarissa, você escreve no estilo "Tati Bernardi" que eu adoro!

Sem contar que me identifiquei totalmente com seu texto, rsrs

Seu blog é ótimo!
um beijo.

mayarasantana disse...

Ótimo post!

paqueta disse...

Muito bom!

Tatá disse...

Tudo que to passando nesse exato momento!!! Lindo!!!

Postar um comentário

 
Só enquanto eu respirar. Design by Exotic Mommie. Illustraion By DaPino